Mesatenistas portugueses iniciam esta quarta-feira a campanha em singulares no Campeonato do Mundo

Düsseldorf, na Alemanha, foi o palco escolhido para acolher o Campeonato do Mundo Individual de Ténis de Mesa, que começou no dia 29 de maio e se prolonga até 5 de junho. Em prova, estarão nove atletas portugueses que uma vez mais vão tentar fazer história.

Na variante masculina, Marcos Freitas, Tiago Apolónia, João Monteiro e João Geraldo [os quatro na fotografia do artigo] tiveram entrada direta nos 64 avos de final da competição, recebendo depois a companhia de Diogo Carvalho, que ao somar três vitórias fez o pleno na fase de grupos esta terça-feira e eleva para cinco o número de mesatenistas lusos presentes no quadro de singulares masculinos da prova.

Na variante feminina, Leila Oliveira será a representante portuguesa em prova no quadro principal, ao ultrapassar a fase de grupos para garantir a qualificação. Em sentido inverso, Rita Fins, Cátia Martins e Raquel Andrade, as restantes jogadoras convocadas,

Em declarações à Agência Lusa, Francisco Santos, um dos três treinadores portugueses que marcam presença no Mundial de Dusseldorf, destacou que “em masculinos, temos dois atletas entre os 16 cabeças de série”, referindo-se a Marcos Freitas e Tiago Apolónia, razão pela qual diz ser “normal termos muita esperança neles.”

A equipa portuguesa também viajou para a Alemanha com esperanças na variante de pares, mas já esta terça-feira Marcos Freitas (que alinhou ao lado do croata Andrej Gacina) foi derrotado por 4-0 e João Monteiro, que jogou com o austríaco Stefan Fegerl, perdeu por 4-1. Os dois mesatenistas portugueses jogaram ao lado de atletas que se tinham sagrado campeões europeus em 2011 e 2015, respetivamente.

Para esta quarta-feira, está marcada a estreia de toda a comitiva portuguesa nos quadros principais de singulares da competição.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."