Gastão Elias: “Foi uma guerra incrível”

LISBOA – Foram precisas 4h30, mas Gastão Elias conseguiu superar Artem Smirnov e dar a Portugal o primeiro ponto na eliminatória contra a Ucrânia. À conversa com os jornalistas na flash interview que ganhou forma logo após o termino do encontro, o tenista português fez a análise a um jogo que descreveu como “uma guerra incrível.”

“Um jogo de ténis tanto pode ser de 40 minutos como de 4h e hoje foi claramente mais para as 4h. Foi uma guerra incrível. O meu adversário esteve excecional, jogou um ténis extraordinário e eu dei o meu melhor do princípio ao fim. Houve muitos momentos em que o jogo estava difícil de controlar mas soube dar muito bem a volta no quinto set”, começou por dizer o número 2 português.

Sobre a recuperação conseguida por Smirnov, Elias destacou que os dois primeiros sets caíram para o seu lado “mas com pouca margem. Foram muito equilibrados. [E depois] podia ter fechado em três, tive vários match points mas não os consegui aproveitar e depois ele cresceu muito. Ter ganho o terceiro set deu-lhe muita força para continuar em jogo e depois foi uma guerra, mais coração e físico do que outra coisa.”

Questionado sobre o estado físico depois demais de quatro horas em campo e a menos de 24 horas do encontro de pares, Gastão Elias reconheceu estar “um pouco cansado” mas diz não ser “a primeira vez em que isto acontece e na nossa equipa temos o Carlos, um profissional incrível, que nos recupera todos os dias e faz um trabalho impecável. Estamos bem servidos e vou estar nas melhores condições.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."